Doramas Entretenimento K-Drama
/

The Fiery Priest – K-Drama

“O que? Mais um drama de padre nesses dias? É… sei não.” – essa era eu, quando vi os primeiros posters de The Fiery Priest.
“Adorei! Tô rindo muito, nada a ver com o que eu imaginava” – essa era eu após os primeiros episódios!
MELHOR drama da temporada! Padre Kim te amo!” – eu na metade do drama.
QUE DRAMA SENSACIONAL, quero segunda temporada pra ontem e me dá aqui todos os dramas que Kim Nam Gil já fez!” – eu após ver os últimos episódios.

Tá bom, né? Preciso continuar escrevendo o post? Haha. Preciso sim, porque quero falar de tanta coisa boa que esse drama tem.

The Fiery Priest é um drama de comédia e ação com uma história que apesar de ser simples, tem personagens fortes com um excelente desenvolvimento e um elenco que fez toda a diferença. A produção também é impecável, tornando um dos melhores dramas do gênero.

The Fiery Priest
열혈사제
Episódios: | Emissora: SBS | Ano: 2019

Sinopse: A história é sobre Kim Hae Il (Kim Nam Gil), que é um padre com problemas para canalizar sua raiva, Goo Dae Young (Kim Sung Kyun) que é um detetive de polícia de Gudam, e Park Kyung Sun (Lee Ha Nui) que é uma promotora em cima do muro. Eles se juntam e trabalham juntos para encontrar o assassino de um padre e acabam no meio de uma série de crimes cometidos por poderes corruptos da cidade.

Sim, o plot principal parece ser bem normal e mais do mesmo em dramas coreanos de investigação. Que novidade há em alguém querer fazer vingança pela morte de um inocente que foi usado para cobrir erros de poderosos, políticos e corruptos da cidade?

Contudo, a história ainda é muito boa, e o roteiro faz uma mistura gostosa de comédia, drama e ação. No meio de diversos momentos de raiva  também podemos rir muito das situações mais inusitadas e bizarras possíveis. Há quem não goste do tipo de humor desse drama que em algumas ocasiões tende a ser mais “pastelão”. Também há quem ame – como eu – principalmente pela mistura de bom humor no meio das investigações.

E por isso, o drama flui bem, com uma história que nunca fica cansativa e é muito clara, sem muito o que pensar ou desvendar, é pra sentar e assistir o drama curtindo e rindo muito mesmo.

O roteiro nos prende principalmente pelo excelente desenvolvimento dos personagens que vão crescendo junto com a trama e aumentando ainda mais o nosso interesse. Eles são muito cômicos, e com personalidades e características extremamente marcantes. Além disso, seus ideais e caráter são um pouco duvidosos, alguns estão em cima do muro, outros já tem lado definido nessa luta, e poder acompanhar o crescimento e amadurecimento deles é ótimo. Alguns que eu queria dar uns tapas nos primeiros episódios acabam se tornando meus favoritos. E eu gosto muito disso, personagens imperfeitos que cometem inúmeros erros sim, mas tem chance dese redimir e evoluir.

Outro ponto importante é o elenco. Acredito que mesmo com atores diferentes, o drama não seria a mesma coisa. Todo o elenco, dos mocinhos aos vilões e até personagens secundários tem uma química impecável e qualquer que seja interação entre eles sempre resultava em ótimas cenas, seja as de comédia, ou diálogos dramáticos até as de luta e ação – que eram muito bem feitas por sinal. Inclusive, Kim Nam Gil, o nosso padre raivosinho, acabou se machucando algumas vezes durante as filmagens, mas já melhorou, ainda bem.

A sinopse já disse que o Padre Kim vai fazer vingança pela morte de um inocente, que é o padre Lee (Jung Dong Hwan), o responsável pela igreja de Gudam, por quem o padre Kim tem imenso carinho. É com a chegada do Padre Kim que aquela cidade vira de pernas pro ar. – Demorou!

Kim Hae Il, ou pros mais chegados, Padre Michael (Kim Nam Gil) é o nosso protagonista raivosinho. E diferente dos dramas com padres que foram lançados nos últimos meses, este é um padre bem fora do convencional, mas bem fora mesmo. Além de ficar nervoso facilmente, ele também diz o que está na sua mente, sai batendo em quem merece, não leva desaforo pra casa, bebe soju e é um excelente lutador (mas isso porque ele tem um segredinho, que não pretendo revelar aqui para não estragar a experiência de você que ainda não assistiu e está lendo esse post – e falando nisso, o que está esperando pra ver esse drama hein? Espero que eu te convença até o fim do texto, hehe).

Padre Kim pode ser assim estourado e irrita inúmeras pessoas (no drama, porque na vida real das dorameiras é só amor por ele mesmo), mas não posso negar que esse é o seu charme e o que o torna não só o melhor padre que já vi na ficção, como também um dos meus personagens favoritos de todos os tempos. Justamente por ser assim, bem longe do estereótipo do protagonista “bom moço” e ao mesmo tempo o herói. Também não posso negar, que bom moço ele também é. Seu coração é gigantesco e ele busca sempre justiça mesmo que para isso ele tenha que se ferrar um pouquinho – ou muito.

Já mencionei o charme, né? Agora posso mencionar a beleza e o quanto ele é lindo estressado com aquele sobretudo preto? O lado fangirl aqui está falando muito alto, desculpe. Mas se até as personagens do drama comentam sobre a beleza – e as belas coxas – do Padre Kim, por que eu não posso, não é mesmo?

Brincadeiras a parte, falando sério, sério mesmo, a atuação do Kim Nam Gil foi tão convincente e encantadora que não somente eu, mas inúmeras dorameiras que conheciam pouco do ator começaram a pesquisar e assistir mais do seu trabalho. Enquanto estou escrevendo esse post, posso dizer que comecei uma maratona de ator, coisa que eu não fazia há alguns anos. Comecei a assistir tudo do Kim Nam Gil de tão viciada que fiquei.

 

Goo Dae Young (Kim Sung Kyun) é um detetive bem bunda mole. Desculpa a sinceridade, mas é. Eu tinha vontade de dar um tapas nele também, mas padre Kim faz isso muito bem por nós, então a única preocupação é mesmo que esse detetive acordasse pra vida logo. Goo Dae Young poderia até ter senso de justiça mas por muito tempo acabou nas mãos dos poderosos da cidade, que com dinheiro e influências podem controlar até a polícia.

Agora, vamos combinar aqui, que ele é um personagem hilário, não dá pra negar. Seja como o detetive medroso ou como o novo “parceiro” do padre Kim, ele é sempre muito zuado e adorava o jeitinho dele. O ator é ótimo, sou fã mas meu personagem favorito dele veio de Reply 1988, por isso não tenho muita escolha, ele aparece na tela eu já gosto. (E tem referência de Reply no drama hein, olha aí mais um motivo pra você que ainda não viu o drama)

 

A promotora Park Kyung Sun (Lee Ha Nee) é daquele tipo de personagem que eu gosto muito, mais do que o Padre Kim e o detetive Goo. Ela está ainda mais em cima do muro o que torna seu desenvolvimento mais gostoso de acompanhar. Para sobreviver na promotoria ela tem que se sujeitar ao seu chefe corrupto. E aí fica a dúvida, até que ponto ela vai chegar e até que ponto tudo que ela se sujeita é por “ser obrigada” ou por que ela quer de fato? Embora aparente ser uma pessoa cheia de defeitos em seu caráter, ainda tem muito o que aprender, e assim como a maioria dos personagens, é com a chegada do Padre Kim que ela vai ter que escolher o lado certo para ela. Durante esse processo dá muita raiva da promotora mas acredite, não deixe esse ódio tomar conta do seu coração, porque o melhor dessa personagem está por vir.

Ao fim do drama, eu só posso dizer: promotora Park é maravilhosa demais! Ela também é muito ousada e corajosa, mesmo ainda sob o domínio do promotor chefe idiota, ainda ela reclamava e falava o que pensava. Adorava as expressões de deboche e o tanto que ela era cínica, inteligente, linda, poderosa, e com aquele sotaque… como não amar?

E o mesmo vale para a atriz. Se eu já amava a Lee Ha Nee – ou Lee Honey, como gosto de escrever e ela também hehe – agora mais ainda. Quem quiser uma indicação de um bom drama que ela fez, recomendo Rebel.

A parceira do detetive Goo, é Seo Seung Ah (Geum Sae Rok), uma detetive novata na delegacia. Ela chega com sede de justiça e vontade de trabalhar dando o seu melhor, mas logo percebe que não é bem assim que as coisas funcionam. Justiça? Que justiça com seus colegas de chefes comandados pelo dinheiro?! É quando ela conhece o Padre Kim, que seus olhos brilham novamente. A Seo Seung Ah é hilária, ela tem o estilo toda rapperzinha, fica fazendo rimas e bate como ninguém, é cada voadora e chute pesado dessa moça. Adoro!

Agora, ainda do time do Padre Kim, que vale a pena citar são o Oh Yo Han (Go Kyu Pil) e o Ssongsag (Ahn Chang Hwan). E o padre Han (Jeon Sung Woo) e a irmã Kim In Kyung (Baek Ji Won). Da série: personagens secundários que fariam uma imensa falta se não tivessem lá. ♥

 

E esse squad impecável composto por Padre Kim, detetives Goo e Seo, promotora Park, Oh Yo Han e o Ssongsag é que faz o drama valer a pena. Quando eles se juntavam e começava a tocar a aquela trilha sonora icônica já sabia que eles vinham para arrasar com tudo mesmo. Era surto atrás de surto, sem brincadeira. Um squad desses!

Também há muito girl power nesse drama. A promotora com a detetive rapper fazem uma dupla sensacional!

 

Hwang Cheol Bum (Go Joon) é um dos “vilões” do drama junto, ele é líder de uma gangue. Kang Seok Tae (Kim Hyung Mook), o promotor chefe corrupto e Jang Ryong (Eum Moon Suk) o chefe da gangue abaixo de Cheol Bum. Eles são os que merecem ser citados, porque ainda dá pra aturar, o resto não aguento nem ver a cara que já odeio. Tem vários antagonistas nesse drama, e um mais nojento que o outro.

Todos também muito caricatos e cômicos. A vibe do drama os faz ser mais divertidos, mas ainda assim péssimos como pessoas, não via a hora do Padre Kim surtar e por logo um fim nesse bando de gente sem noção. Mas achei interessante até como se dá o fim de alguns deles. E novamente entramos naquele assunto de que o principal desse drama não é a história e sim os personagens. Eles são a essência, e o que nos mantém firmes até o fim são eles.

Agora mudando um pouco de assunto, vamos falar sobre romance, o que não era uma coisa esperada no drama, e pra ser sincera, foi mais um surto coletivo dos dorameiros mesmo. É uma das coisas que provavelmente veio como um bônus do roteirista pra esquentar ainda mais nossa paixão pelo drama. Eu vou deixar por conta de vocês descobrir se esse ship se concretiza ou não. Até porque, pra uns é errado, e pra outros não. Depende do ponto de vista. Mas é fato que a SBS quis esfregar na nossa cara o quanto o padre Kim tinha química com a promotora. E é uma química assim, em níveis absurdos! Desde o primeiro olhar deles eu já estava pensando como o Padre Kim ia arrumar um jeito de ficar com ela.

 

Agora queria dizer que eu não estou louca. E que esse casal tem muita química sim. Após meu surto em The Fiery Priest, comecei a ver Shark por causa do Kim Nam Gil, não pesquisei muito então só vi que ele estava lá. Quando comecei a assistir quem aparece no drama? Lee Honey, isso mesmo. Não como protagonista, infelizmente, mas seus personagens estão ligados então pude perceber essa química está presente entre eles desde 2013 quando Shark foi ao ar. E eu como fiquei? Morrendo de amores! Acho que tenho um novo casal favorito para se juntar com Ceifador e Sunny no meu coração.

 

E voltando para The Fiery Priest, a SBS deixou bem claro que vai ter segunda temporada, então repito: vai ver esse drama logo! O desfecho é uma das coisas mais malucas que já vi, ou seja, combina todinho com o drama.   Apaixonei por esse drama e seus personagens. Não consigo sair desse vício.

Deixo aqui a playlist completa da OST no Youtube e no Spotify  porque até isso é perfeitinho. 💛

Onde assistir?

Tem The Fiery Priest legendado no Kingdom Fansubs.

 

Até logo,

Beijos. Mari.

Compartilhe ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *