Doramas Entretenimento K-Drama
/

Beautiful World – K-Drama

Hoje vou falar de Beautiful World, um drama que terminou há alguns meses já, mas ainda não esqueci dele e queria muito vir comentar sobre. Afinal, este é um drama que poucos deram chance e ainda assim, vi algumas pessoas comentarem ter desistido no meio do caminho. Porém na minha opinião, foi um drama excelente e com uma temática sensível e muito importante. De fato, é um melodrama, por isso não agrada a todos, entendo perfeitamente.

Há também aqueles que começaram justamente pela presença do Nam Da Reum no elenco, pela primeira vez como um protagonista e não como a versão mais jovem de alguém. Acontece que apesar dele ser protagonista, há outros personagens, como seus pais, por exemplo, e estes estão muito mais presentes na história. Logo, se você espera ver Nam Da Reum o tempo todo, não é bem assim que será, mas saiba que vale a pena a pena sofrer e sentir raiva porque no fim, o drama tem uma linda mensagem. 

Bom, eu adoro melodramas com profundidade, por isso Beautiful World foi muito bom pra mim. Agora segue a resenha para eu explicar o que esse drama tem de especial.


Beautiful World
아름다운 세상
Episódios: 16 | Emissora: JTBC | Ano: 2019

Sinopse: Beautiful World relata um incidente de violência escolar que deixa um jovem estudante à beira da vida e da morte, enquanto sua família busca justiça em seu lugar. Park Moo Jin trabalha como professor do ensino médio e Kang In Ha dirige uma padaria. Eles aproveitam suas vidas com seus dois filhos ao máximo, mas seus dias de paz de repente se transformam em uma experiência infernal. Seu filho, Park Sun Ho, que está em seu terceiro ano do ensino médio, se torna vítima de violência escolar e fica gravemente ferido. Park Moo Jin e Kang In Ha tentam revelar a verdade por trás do ataque que feriu seu filho. Sua filha, Park Soo Ho, que frequenta a mesma escola, também decide procurar a verdade por trás do acidente de seu irmão à sua própria maneira.

Beautiful World é da mesma roteirista de Memory e Shark, e acabo de perceber que ela é ótima em roteiros melodramáticos. Não fiz resenha de Memory até hoje e nem sei porque, mas já comentei algumas vezes o quanto o drama é incrível, e trata de um assunto delicado que é o Alzheimer. Então quem não deu chance ainda, não perca tempo, pois o drama é maravilhoso e tocante. Já Shark eu comentei brevemente no post da maratona de Kim Nam Gil e eu fui bem clara que a temática da história é pesada e triste. Acredito que este seja mesmo o estilo da roteirista Kim Ji Woo, pois Beautiful World tem os mesmos sentimentos presentes na narrativa.

No começo de Beautiful World, há muitas semelhanças com SKY Castle, talvez não foi proposital e tenha calhado da temática parecida ter sido lançada na mesma época e ainda pela mesma emissora, talvez sim. Eu prefiro acreditar que não foi proposital, até porque as semelhanças estão mais presentes no começo da trama mesmo, quando ainda não sabemos direito como as coisas aconteceram e tudo não parece nada mais que um acidente causado por bullying. Acontece que com o passar dos episódios, o roteiro caminha diferente de SKY Castle, tratando os temas por caminhos distintos e com uma abordagem mais pesada e dramática.

A temática de bullying e violência escolar já é por si só delicada, e o drama transmite sentimentos densos, emoções obscuras e segue com um misterioso suspense. O que parecia ser mais um caso de suicídio por bullying escolar, o qual um adolescente é vítima e paga muito caro por isso, acaba sendo algo completamente diferente. A história aborda adolescentes e jovens impulsivos, em situações de pressão, outros com um mal caráter já enraizado, e ainda outros que não toleram injustiça mas são influenciados e sofrem também consequências.

No entanto o bullying não é o único foco, portanto o drama ainda mostra como o ser humano pode ser facilmente moldado pelas pessoas e pelas situações, pelos pais, amigos e como as pessoas podem ir longe, muito longe para protegerem seus filhos mesmo cientes do certo e errado. Como um caso desses pode chegar a afetar pais, professores, escola e toda uma sociedade.

A mensagem que fica é de otimismo, fé e esperança na humanidade, apesar de tudo. É sem dúvidas, uma história que nos faz sentir raiva pela injustiça mas ao final podemos respirar fundo e sentir que a beleza do mundo, depende muito de nós mesmos, lutando diariamente por um lugar melhor, lutando para propagar o bem no meio desse caos.

A história flui num ótimo dinamismo embora pareça um pouco lento, às vezes, é um melodrama, não podemos esquecer. Mas o roteiro caminha desvendado aos poucos os segredos e intenções dos personagens, e através de flashbacks é que acontece a transição entre o presente e o passado, contando ao espectador que nem tudo é o que parece. O desfecho é bem emocionante e imprevisível. Não aquele final extremamente brilhante, mas pelo menos pra mim, foi diferente do que imaginei, e o melhor que reforçou ainda mais o conceito de fé na humanidade.

Park Sun Ho (Nam Da Reum) é um adolescente de 16 anos que logo no começo da trama cai do telhado da escola e entra em coma lutando para sobreviver. Não se sabe ao certo o que houve na noite do acidente. Enquanto a polícia afirma ter sido suicídio, seus pais se negam a acreditar e buscam a verdade por conta própria. Seus colegas de escola são suspeitos, a situação é suspeita e até mesmo os professores e diretores da escola negligenciam o caso.

Park Sun Ho era um garoto feliz, bom nos estudos e parte de uma família adorável. Sua mãe é Kang In Ha (Choo Ja Hyun) e seu pai Park Moo Jin (Park Hee Soon). Eles são compreensivos e carinhosos. Quando o acidente acontece, ficam devastados. E para eles algo mais aconteceu naquela noite, é impossível que seu filho tenha se jogado por conta própria. Park Soo Ho (Kim Hwan Hee) é a irmã mais nova, e assim como seus pais, ela seu irmão e fica inconformada com a situação.

Ver o desespero dessa família é angustiante. Até algumas horas atrás eles eram uma família comum e feliz e de repente tudo se torna tão caótico. Enquanto Park Sun Ho fica em coma, seus pais iniciam uma busca incansável da verdade e se não fosse essa persistência, todo o resto não ia nem ligar, inclusive a polícia. Todos continuariam com suas vidas, muitos segredos ainda estariam encobertos e ainda com outras vidas em jogo.

Ainda partindo dessa família, podemos acompanhar também a angústia da tia do Sun Ho, a Kang Jun Ha (Lee Chung Ah) que faz de tudo para manter a sanidade da família toda e principalmente da sua irmã.

Histórias como essa, sempre me tocam e me sensibilizam, eu fiquei devastada junto com eles, eu torcia para a verdade ser descoberta, para a justiça ser feita. Fiquei com raiva de personagens, e pouco depois queria abraçar. São jovens! Adolescentes, quase crianças! Passando por absurdos muitas vezes sem poder ter com quem contar. Sim, eu sei que em alguns casos, tem maldade no coração, mas essa maldade foi plantada ali por situações, por pessoas.

A irmã do Sun Ho é sem dúvidas, uma das melhores personagens. Ela é uma garota corajosa e inteligente, pensa em todas as possibilidades, vai atrás das pessoas com quem ele pode ter tido contato, xinga quando precisa, fala a verdade pros colegas que precisam de um chacoalhão e ainda tem todo o cuidado de não ferir pessoas, psicologicamente falando, no meio dessa jornada.

Ela também acaba iniciando uma nova amizade com Han Dong Hee (Lee Jae In), uma das colegas de sala do Sun Ho, e mais uma vítima de bullying escolar. A aproximação das duas torna-se uma surpresa cativante.

E no desenrolar da trama também podemos acompanhar o tipo de pessoa que é o pai do Sun Ho, ele também é professor em outro colégio e passa por alguns problemas com alunos. Um deles em especial é Han Dong Soo (Seo Young Joo), outro caso de jovem passando por dificuldades, mas é lindamente mentorado por ele. Abordando o quão importante também é um relacionamento de professor e aluno, principalmente quando este não tem mais ninguém para recorrer.

Seo Eun Joo (Jo Yeo Jung) é mãe do Oh Joon Seok (Seo Dong Hyun) um dos colegas do Park Sun Ho. Ela é esposa do diretor da escola Oh Jin Pyo (Oh Man Suk). A família é um tanto suspeita desde os primeiros episódios — então o que estou dizendo aqui não é spoiler.

Eles são uma família rica e claramente o estereótipo usado é de que seu filho é o adolescente que tem tudo o que quer por isso tem uma personalidade forte. Mas também explora como o caráter de uma criança pode ser formado através de seus pais.De fato, dá pra sentir muita raiva da família toda, mas sem dúvidas quem está no topo no quesito raiva é o pai.

Há ainda outros estudantes, que eu não vou citar um por um aqui. Mas a importância de cada um deles no roteiro é abordar os diferentes tipos de pessoas que estão neste mundo e como cada um lida com situações de bullying, depressão, suicídio, traição, vingança e outros assuntos delicados.

As atuações foram excelentes! Mas quero deixar meus elogios especialmente à atriz que fez a mãe do Sun Ho, e claro ao Nam Da Reum. Mas aquele que mais me chamou atenção e me fez ficar sem fôlego em algumas cenas foi o Seo Dong Hyun interpretando o Joon Seok. Que menino talentoso. Eu estou pasma. Ele tem apenas 16 anos e atuou como um expert. Brilhante, o menino tem talento, mas também vi que ele atua desde pequenininho.

Assim como o elenco teve um ótimo desempenho, a direção e edição do drama foram ótimas. A fotografia é muito bonita, adorava os ângulos de filmagem e enquadramentos que representavam muito bem a visão conturbada da história que ninguém conhecia a a verdade completamente.

Destaque para a trilha sonora que ajudava a deixar a trama ainda mais emocionante. São lindas as músicas, e as letras muito condizentes com a trama. Essa é uma parte da letra de Over The MoonHaeun & Hanbin e fala exatamente de como uma pessoa pode estar morrendo por dentro e a pessoa ao lado nem faz ideia. Tem a trilha sonora completa no Youtube e no Spotify.

“Quando estou deixando isso
Esperando por uma vida melhor
Mas eu estou morrendo para sempre por dentro
Ao seu lado

Então estou deixando fluir
Buscando uma vida melhor
Nós todos estamos correndo para viver na luz
Do seu lado”

 

Por fim, Beautiful World é um melodrama com profundidade e sensibilidade. Recomendo para quem quer fugir das comédias românticas e clichês.

“Vocês estão cruelmente afastando seu amigo e o culpando com comentários maldosos. Acham que são diferentes? Não. Se queremos mudar o mundo, devemos mudar primeiro. Podemos tentar com pequenas coisas. Eu vou tentar também. Então eu espero que vocês tentem juntos.”

Onde Assistir?

Tem Beautiful World legendado no Kingdom Fansubs.

 

 

Até logo,
Beijos, Mari.

Compartilhe ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares